Populares

Escrito por: Fabi novembro 01, 2012

Quinta-feira como todos sabem é dia de POESIA e hoje teremos uma belíssima poesia do nosso parceiro Rafa Silvestre.


Labirinto entre os dedos

São pequeninos risquinhos sobre a face oposta ao sinal de vida. De tão rara, a suavidade acaba esquecida, entre tão afagos delirantes que se encontram na formulação das expectativas.

Se bem olhar, não se distingue quantos são. Tente contar. Tente saber quando o escuro deixa sua mente dopada, e que o suor se faz resultado atrevido.

Mas, são mais. Raízes expressas, em nem muito colante. O que transfere carinho, agressão, maldade e bondade, na antítese paralela, as variedades são muitas, algumas trabalhadas com o tempo, outras com a dor, sempre com a vida.

Correr nas extremidades apenas e tão somente outras facetas iguais. Iguais nem em tamanho, mas parecidas, coloridas, bordadas, de cor suave, tão refrescante.

Nas faces, tão opostas quanto narcisas, pode-se encontrar traição, mas isso é raro. Sempre há aquela que brinca no pôr-do-sol, de se esconder no arco-íris. São contrastes, mas são. Ternura pura, como o sorriso da rosa ao se esticar bem forte e receber a água em gotas.

Trechos finos, em moldes negros, verdes, vermelhos. São às vezes sujos com o que há de profundo, em veias, ossos únicos. Mas ser único aqui é ser bem igual. E o igual costume trazer outro. Outro espelhado, mas outro. Mas são diferentes, pode-se dizer.

Há estalos, uns alto, outros com dor. Na raiz, saudade, na essência da vontade. Costume de se pensar como alguém – desejado como ninguém. Mas há – sempre há, o fazer-me bem.

É fragilmente piegas, mas socorre a quem não se demonstra aceito. Precisa-se esperar tanto, mesmo na forma em que está? – Precisa! – Foi sempre assim, de atitudes atadas.

Mas pode ser que entre tantos rumos, em cada lisa pausa, existam ramificações tão constantes e integras que possa trazer de fato o rabisco sensível, o prazer extremo, a maciez verdadeira.

E pode sim, se você olhar e ver, abra bem forte. Vai estalar e esticar como abraço de criança, suas mãos sentirão o brisar do pingo de chuva, da lágrima da saudade, a perda que voltou – pode abrir – sua palma tem mistério, tem cheiro, tem um mundo nela, sem ter nada escrito.
 Rafa Silvestre
 Twitter: @PoetaRafael 
Bjos e até.

{ 7 comentários ... leia abaixo ou comente }

  1. Parabéns ao Rafael Silvestre pela poesia! As palavras dele são encantadoras!

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  2. Lindo... Adorei ler esta poesia no dia de hj!!
    Estava precisando

    beijos
    http://www.dailyofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Fabi!

    Adoro essa coluna, maravilhosa!! Eu acabei meio que 'abandonando' a lá no blog, haha!

    Lindo! :D

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. oi Fabi

    MAis uma linda poesia.
    Rafa Silvestre é muito bom!!
    adorei

    http://www.lostgirlygirl.com

    bjos

    ResponderExcluir
  5. Parabéns ao Blog pela iniciativa, e para nossa sorte encontramos belas demonstrações de talentos, com poesias belíssimas que nos encantam e comovem.

    ResponderExcluir
  6. Nao sou muito fã de poesia mas tenho que concordar que essa tá linda demais!
    Parabens!

    Bjokas
    Flavia - Livros e Chocolate

    ResponderExcluir

- Copyright © Roubando Livros - Date A Live - Powered by Blogger - Template Base por Johanes Djogan -